terça-feira, 27 de setembro de 2016

JORNAL EXTRA É RECOLHIDO DAS BANCAS EM SG PARA ESCONDER DENÚNCIA CONTRA EDUARDO GORDO


Do Extra:

Nesta madrugada, um grupo de 30 homens esteve em pontos de distribuição do jornal Extra para recolher o suplemento São Gonçalo, que trazia na capa denuncia do Ministério Publico Federal contra o ex-presidente da Câmara, Eduardo Gordo. Ele é acusado de fraudes na saúde que somam 35 milhões e é candidato a vereador pelo PMDB.

Apesar de o suplemento não poder ser vendido separadamente, os homens levaram os cadernos. Em respeito aos leitores, o Extra publica a seguir a reportagem que o grupo tinha interesse em esconder:

LEIA A REPORTAGEM:

O candidato a vereador e ex-presidente da Câmara de São Gonçalo Aristeo Eduardo Teixeira da Silveira (PMDB), conhecido como Eduardo Gordo, foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro por desvio de recursos da Saúde no município.

Segundo o MPF, ele e três empresários faziam parte de um esquema de falsificação de guias para receber verba do SUS por serviços nunca prestados. O ex-vereador teria recebido um total de R$ 57 mil, em três ocasiões. Eduardo Gordo já havia sido denunciado pelo Ministério Público Estadual. O filho do político, Aristeu Raphael Lima da Silveira, também foi acusado de receber em sua conta propina destinada ao pai.

O grupo foi alvo de Operação da PF em julho de 2015. Na ação, o então vereador Amarildo Aguiar foi preso. Ele continua na cadeia.

Ainda de acordo com o MPF, apenas no esquema envolvendo as três clínicas citadas na denúncia — que hoje estão fechadas —, o prejuízo aos cofres públicos foi de R$ 566 mil, mas o desvio total ultrapassaria R$ 35 milhões. As fraudes aconteceram em outubro e novembro de 2005. Os denunciados vão responder por peculato, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

Eduardo Gordo disse que não vai se manifestar sobre o caso já que ainda não foi notificado pelo MPF. Sobre sua candidatura, ele afirmou que continuará na campanha por um lugar na Câmara.

Segundo o MPF, a quadrilha da qual ele faria parte falsificava guias de serviços de saúde com dados fictícios de pacientes que não existiam e simulavam atendimentos que seriam cobrados do SUS. A Secretaria municipal de Saúde, na época, era responsável por conferir a prestação de contas dos prestadores de serviço conveniados. O ex-vereador atuava nesta função. Conforme a denúncia, ele usava o cargo para constranger agentes públicos a aprovarem o pagamento integral, agindo como defensor dos conveniados. A prefeitura disse que não vai se manifestar já que a fraude aconteceu em governo anterior.

                           


Um comentário:

  1. É nas mãos dessa gente que está a política de São Gonçalo? Lamentável...

    ResponderExcluir