segunda-feira, 6 de julho de 2015

Uma belíssima pintura da Igreja Matriz de São Gonçalo do Amarante


Quem é que teve a infeliz ideia de colocar aqueles azulejos horrendos que se encontram atualmente na fachada da igreja mais importante de São Gonçalo, considerada o marco zero da cidade, hein? Só pode ter sido mesmo uma pessoa muito sem noção do que representa o valor de uma memória histórica, só pode! Ainda bem que há um projeto para remover aqueles tenebrosos azulejos. A igreja merece ficar linda como a retratada na pintura acima.

Autor do quadro: desconhecido


6 comentários:

  1. Foi um padre da epoca q decidiu fazer essa bagunça na fachada da igreja, muitos foram contra isso... Agora é só retirar o ladrilho e ver o estado do sapê original...
    Pena q pra restaurar a igreja de Sao Pedro de Alcantara, seria necessario derrubar um shoping feito sobre a praça Carlos Gianelli.. missao bem mais dificil...

    ResponderExcluir
  2. Certamente foi alguém que não tinha noção da importância em se manter um patrimônio histórico. Mas imagino também alguém que não tenha recebido apoio para uma reforma que envolveria um restauro da igreja. Lembro dos altares internos da igreja que eram todos em madeira, mas que estavam infestados por cupins. Sem nenhum apoio governamental ou de qualquer instituição que se dispusesse a bancar uma restauração, como está sendo proposto agora, a solução (infeliz) encontrada foi a substituição dos altares por outros em alvenaria com azulejos.

    ResponderExcluir
  3. Nao posso ver estas maravilhas do nosso velho tempo, nos eramos felizes ,me lembro dos Bondes, da Venda da Cruz, quartel 3 B.I . do campo do serve no barreto,fabricas do tecidos,marca olho,e siderurgica Hime,nao perdemos so a igreja, mais muita fabricas praças do barreto,feira de Neves com shous ao vivo com Eugenio ribeiro,bailes no fiet lux,e aos domingos no Vila Lage,com Lafayet,era muito bom,isto todo numa epoca que todos falam Mau ,era a era da Ditadura,pra mim foi bom,se mandinha o respeito,e HOJE,,,,,,,,,,,,,, serar que os nosso jovens terao lembraças,como diz o mestre Nelson Sargento,eles tem estoria pra contar. Revoltado de SG

    ResponderExcluir
  4. Belíssima mesmo. Uma das construções mais antigas do Brasil né.

    ResponderExcluir
  5. Olá a todos! Como o colega Anônimo bem mencionou, o padre Eugênio na década de 70 se via em uma igreja caindo aos pedaços devido à infestação de cupins e ainda a necessidade de uma manutenção rigorosa para cuidar das paredes internas e externas, pois não existiam tintas especiais como temos hoje facilmente na lojinha da esquina, a igreja sempre apresentava muito limo na fachada. Somado a isso, não contava com nenhum apoio para uma restauração. Com certeza foram meditados na época os prós e contras da instalação dos azulejos, considero pessoalmente uma infeliz escolha, mas foi feito assim, é com recursos de doações de fiéis, e muito bem feito, são mais de 30 anos sem intervenções. Não foi devaneio de um padre, os registros do livro do tombo da igreja relatam o estado lamentável que se encontrava a edificação. Lembrem-se também que este templo passou por várias alteracoes, as torres não existiam, são do século XIX, as laterais são da década de 1940 e em sua última grande obra foi colocada a laje de concreto, pois perdeu-se o forro e também os altares laterais pelos cupins e ainda os mal falados azulejos devido à carência de manutenção das paredes... Enfim, exagerando um pouco, se quisermos a igreja de 1647, teríamos que derrubar as torres! Mas é claro que o bom senso nos indicam limites, os azulejos foram um "mal necessário"... Hoje existe um projeto sério para reforma da igreja, e sim, está prevista a volta da igreja branquinha sem as cerâmicas! Tenho o privilégio de fazer parte desta comissão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. exatamente, Carlos. Foi isso que aconteceu. O Cônego Manoel Eugênio Moreira (o popular Padre Eugênio) foi o sacerdote que mais se preocupou com a igreja da cidade e com a sua história, escxrevendo e publicando de próprio bolso um livro sobre o Santo e a cidade, distribuido até hoje.

      Excluir