terça-feira, 19 de janeiro de 2016

LOJAS LEADER PEDEM FALÊNCIA



A crise que se instalou no BTG Pactual, desde a prisão do fundador André Esteves em novembro do ano passado, acabou de ganhar mais um capítulo. A varejista Leader, controlada pelo banco, teve sua falência pedida na semana passada pela família Furlan, fundadora da rede de lojas Seller – que foi comprada pela Leader em 2013. O pedido judicial de falência foi confirmado pelo banco em um comunicado ao mercado na noite de sexta-feira.

Um atraso no pagamento de uma parcela referente à venda da varejista do interior de São Paulo foi o que motivou o pedido de falência. Em nota, a Leader afirmou que “já discutia valores pleiteados pelos vendedores da Seller (...), em virtude, dentre outros motivos, de inconformidades patrimoniais e contábeis da Seller verificadas quando da conclusão da referida alienação”.

Segundo o banco, embora a varejista ainda não tenha sido notificada, a empresa já está estudando as medidas que serão adotadas.

Especializada na venda de produtos de cama, mesa e banho, a Seller tem mais de 50 lojas espalhadas por cidades dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. As dificuldades para integrar essa aquisição à estrutura da Leader obrigou a empresa a iniciar no ano passado um amplo processo de reestruturação.

Adquirida em 2012 pelo BTG Pactual (o banco tem 70% de participação e a família Gouvêa, fundadora da rede, os outros 30%), a Leader era considerada a aposta do banco para dar início a um movimento de consolidação no setor varejista, de olho no crescimento da classe C. Um ano depois, o BTG comprou a rede Seller.

Mas o que parecia ser um projeto vencedor, calcado no potencial na classe média emergente, não deslanchou. Em outubro de 2015, o BTG Pactual contratou a consultoria do executivo Enéas Pestana, ex-Grupo Pão de Açúcar (GPA), para dar suporte a algumas das empresas adquiridas por seus fundos de private equity, entre elas, a Leader.

Os desafios não eram pequenos, já que as duas empresas têm propostas distintas. A Leader tem cerca de 60% da receita vinda de vestuário e o restante vem de cama, mesa e banho e utilidades domésticas. Já, na Seller, é o contrário: o vestuário é só 40% do faturamento. No ramo de moda, a Seller só fazia compras de oportunidade na indústria, não tinha coleções próprias e sequer um centro de distribuição. Um dos passos no processo de integração seria a unificação das marcas, com a conversão das lojas Seller em Leader.


2 comentários:

  1. Petrobras tá quase lá, também...
    E muitas lojas na cidade estão fechando as portas, no centro até o Bobs em frente a prefeitura fechou... a crise tá séria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lamentável esse retrato da atual conjuntura econômica.

      Excluir