sábado, 3 de março de 2018

ESTAÇÃO DAS BARCAS EM SÃO GONÇALO É TOTALMENTE DESNECESSÁRIA

Estação Praça XV - Foto: Divulgação

Durante reunião do Conselho Estadual de Transportes, na Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do Rio de Janeiro (Seaerj), na última terça-feira (27/01), o secretário estadual de Transportes Rodrigo Vieira informou que a linha São Gonçalo-Praça XV não será incluída no novo edital de licitação do serviço de transportes aquaviário do Estado do Rio. 

Segundo Vieira, a implantação da linha social ligando a capital ao município de São Gonçalo deverá ser estudada pela nova concessionária, no prazo de um ano após o início da nova gestão. Caso os novos estudos indiquem a viabilidade técnica, econômica, financeira e ambiental, o poder  concedente irá autorizar as suas implantações pela nova concessionária.

Confesso aos nobres leitores que gostei dessa decisão. Finalmente, nas eleições deste ano, vamos ficar livres do tal factóide eleitoral das barcas para São Gonçalo. Vale ressaltar que já existe um estudo que aponta a inviabilidade da construção de uma nova estação das barcas no município gonçalense.

“Estudos técnicos do Plano de Desenvolvimento de Transporte Urbano (PDTU) não encontram viabilidade com o sistema estrutural”, declarou o secretário Rodrigo Vieira, na reunião da Seaerj.

A meu ver, é totalmente desnecessária uma estação das barcas no Gradim. O lugar é de difícil acesso. Por estar fora da região central do município, teriam que ser criadas várias linhas de ônibus de diversos bairros gonçalenses para transportar os passageiros até a nova estação.

Além disso, para comportar a enorme quantidade de ônibus e para o trânsito fluir bem até o Gradim, vão ter que demolir casas e estabelecimentos comerciais para construir largas avenidas. Como se vê, será uma obra grande e dispendiosa.

E no final das contas, dependendo da localidade em São Gonçalo, com certeza, moradores gonçalenses vão continuar se dirigindo à estação das barcas de Niterói.

Portanto, reitero que a estação das barcas em São Gonçalo é uma obra totalmente desnecessária.

Obra necessária e urgente para São Gonçalo é a linha 3 do Metrô. Mas ai vamos ter que esperar a recuperação da economia do Estado.

10 comentários:

  1. E os empresários de ônibus venceram novamente.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Vagner!

    Eu gostaria de expressar minha opinião como engenheiro de transportes.

    O que mais preocupa as pessoas são o tempo e o dinheiro gasto para realizar um determinado deslocamento.

    A questão é: após as centenas de milhões de reais gastos em cinco grandes obras na região central de Niterói (Corredor Metropolitano da Alameda, Mergulhão na Marquês do Paraná, Duplicação da Rua Benjamin Constant, Duplicação da Av. do Contorno e Mergulhão da Praça Renascença), a ligação com Niterói, em especial no pico da manhã, continua sendo motivo para perda de dezenas de minutos no deslocamento de centenas de milhares de gonçalenses diariamente.

    Então, será mesmo que uma estação no Gradim ou mesmo em Neves não compensaria esses minutos de boa parte da população? Existem tantas medidas que podem ser adotadas para subsidiar parte do investimento: PPP, Cepacs, etc. Só precisa ser estudado adequadamente, ou seja, ter vontade política.

    Conheço muito bem o Gradim, fui criado lá e sei que, com um investimento mínimo em sinalização viária, sem desapropriar uma casa sequer, é possível chegar em menos de 5 min. na via principal (Rua Francisco Portela) pela Rua Paul Leroux. Tem ainda a Rua Cap. João Manoel e a Rua Maria Rita, que são vias que podem compor um sistema viário adequado ao acesso à estação. Sem contar a BR-101, que serve de acesso fácil a qualquer bairro que fique às suas margens. E o calado lá é garantido: vários estaleiros funcionam lá, construindo ou fazendo manutenção de embarcações muito maiores que qualquer barca.

    Além disso, existem estudos de instituições respeitáveis, como a FIRJAN, que apontam a viabilidade de uma estação em São Gonçalo. E encontro em uma tese da PUC sobre as ligações por barcas na Baía de Guanabara referências sobre um estudo de viabilidade elaborado em 2001 que apontava a viabilidade da estação de São Gonçalo.

    Mesmo com metrô, há viabilidade para uma ligação entre São Gonçalo e Galeão/Fundão, conectando com a TransCarioca, já que o estudo da FIRJAN aponta viabilidade mesmo na ligação improvável com Cocotá.

    Entendo seu cansaço com factóides, mas não dá para engolir o atraso que o Governo do Estado nos impõe de diversas formas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Eduardo!

      Realmente, não dá para engolir o atraso que o Governo do Estado nos impõe e nem o factóide das barcas de São Gonçalo. Vale ressaltar que o assunto sobre as barcas de SG só vem à tona em época eleitoral. Se fosse, de fato, viável, esse transporte aquaviário já estaria funcionando em nosso município.

      Dizer que Niterói não quer o progresso de São Gonçalo, como alguns afirmam, é um argumento muito simplista. Faz 127 anos que São Gonçalo se emancipou de Niterói. Cabe os políticos gonçalenses defenderem com ardor os interesses do município como os outros políticos defendem de seus municípios.

      Mas reitero que, devido a péssima localização (difícil acesso, fora da região central e distante de vários bairros importantes da cidade), na minha opinião, a estação das barcas em São Gonçalo é totalmente desnecessária. Principalmente se levarmos em consideração que milhares de moradores do município, devido ao fácil acesso à Praça Arariboia, com certeza, vão continuar se dirigindo à estação das barcas de Niterói. Fato!

      E além do mais, temos que priorizar uma melhor mobilidade urbana para São Gonçalo. Na minha visão, a estação das barcas no Gradim só vai piorar mais ainda o já caótico trânsito gonçalense, pois terão de ser criadas novas linhas de ônibus na cidade para transportar os passageiros dos longínquos bairros gonçalenses até à nova estação.

      Você afirma que não há necessidade de desapropriar casas, ou seja, alargar as ruas. Que basta um investimento mínimo em sinalização viária. Em que contexto você fez essa análise? Me desculpa, meu querido, mas, a meu ver, temos de analisar os impactos dessa "eventual" obra com os olhos do futuro.

      Excluir
    2. No contexto da minha experiência profissional, confiando na formação que tive e nos profissionais com quem aprendo.

      Excluir
    3. Meu querido, por favor, não estou desmerecendo a sua formação e tampouco tentando desqualificar profissionalmente ninguém. Achei legal você ter se manifestado com a intenção de me mostrar outra visão do projeto.

      Eu sei que para muitos estou sendo equivocado com uma opinião tão radical em relação às barcas de São Gonçalo, mas no momento é essa a leitura que eu faço desse projeto. Na minha opinião, a estação das barcas em SG é, sim, totalmente desnecessária.

      Na minha visão, há outros projetos mais importantes para o desenvolvimento do progresso de São Gonçalo.

      Mas valeu pela sua participação no debate. Desculpa qualquer mal entendido, não tive a intenção de ofendê-lo. Abraço!

      Excluir
    4. Concordo absolutamente com as palavras do meu chará Eduardo Lima e como arquiteto e urbanista que acredita no potencial da cidade, ainda adiciono o possível crescimento daquela região próxima da BR-101, com tanto potencial (Praia das Pedrinhas com orla renovada, São Gonçalo Shopping que apresentou há um tempo projeto de expansão) e torná-la uma importante centralidade para a nossa cidade, isso sem contar na boa imagem que a área teria após as intervenções e isso mudaria a visão de quem é de fora sobre a cidade, visto que essa região da BR é uma das mais esquecidas do município. Entendo seus questionamentos sobre um possível sobrecarregamento das vias da região mas pensando em um possível binário, com a BR ali com acesso a tantas outras regiões, isso seria amenizado. Também vale acrescentar que as vias de ligação da cidade com Niterói e a ponte também são estreitas (se considerarmos a Doutor March, Alberto Torres, por exemplo).
      Quanto aos ônibus, as empresas que fazem o deslocamento até Niterói são as mesmas da municipal, então seria basicamente redirecioná-las para a região em questão.
      Não seriam pessoas de 100% dos bairros que a usariam, claro. Alguém de Tribobó não tem porque ir pro Gradim pegar barca sendo mais rápido ir por Niterói. Só que o maior contingente municipal está na área direta da influência da estação e tudo mais de positivo pra economia, bem estar e mobilidade pra São Gonçalo pode ser levado em conta.

      Excluir
  3. Bom dia nao esqueça das promessa do METRO prometido,isto sim na minha opiniao seria uma qrande obra para a populaçao de SG.e nao esqueça o outro lado de quem morra no rio do ouro tribobo ets de SG,ele fez uma obra na Alamerda da Boaventura que nao adiantou pra nada,falta pessoas copetente para estes cargos nas secretaria do estado,e municipios,abaixo as indicaçoes politicas,
    abaixo engenheiros de obras prontas do municipios e estados .Revoltado de SG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida alguma, a Linha 3 do Metrô seria uma grande e necessária obra para a população de São Gonçalo. A meu ver, mais importante que as barcas.

      Excluir
  4. Prezados Companheiros: Quando Falamos em transportes de massa é "Metrô" ou VLT, pois há mais de 30 anos sempre na época de eleições são discutidos a qualidade do transporte em nosso estado , "Mobilidade Urbana" Trens, Metrô , VLTs, BRTs, e Barcas , Hoje a Região Metropolitana possuem juntas mais de 2/3 populacional do estado do Rio , vimos que são investido muito pouco na qualidade de vida dessa população que sempre foi vista como Estado da Guanabara , realmente e desnecessário a construção de terminal Hidroviário em São Gonçalo, por questões técnicas e politicas para região metropolitana.

    ResponderExcluir
  5. A linha 3 do Metrô não sai do papel nem daqui a dez anos. Pode esperar deitado.

    ResponderExcluir